Old Age and Gender in Brazilian Anthropology

Authors

  • Andrea Moraes-Alves Universidad Federal de Río de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.17583/rasp.2016.1722

Keywords:

old age, gender, anthropology, Brazil

Abstract

This article presents a panorama of the ethnographic Brazilian production on gender and old age. The text explores some pioneering researches on the topic and indicates possible developments. The tradition of anthropologic research on gender and old age in Brazil began between the years 1970/1980 and it actually remains active. The first articles and spread books considered the family and work relations. A little time later, the researches proliferated on topics as the urban sociability and the body. Nowadays, the field of studies on sexuality attracts new researches. All these works contributed to the dissemination of the generational perspective in gender studies. The generational perspective implies a comparative exercise, since thinking in terms of aging generation paths makes possible an attention to the sense of the changes and the permanencies in the gender interpretations and practices.

Downloads

Download data is not yet available.

References

Alves, A. M. (2004). A Dama e o cavalheiro: um estudo antropológico sobre envelhecimento, gênero e sociabilidade. Rio de Janeiro: FGV.

___________ (2010). Envelhecimento, trajetórias e homossexualidade feminina. Horizontes Antropológicos, 16(34), 231-233.

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas: uma teoria da ação social. Campinas: Papirus.

Brigeiro, M.M.C. (2000). Rir ou chorar? Envelhecimento, sexualidade e sociabilidade masculina. Dissertação [mestrado]. Rio de Janeiro: IMS/UERJ.

____________ (2002). Envelhecimento bem sucedido e sexualidade: relativizando uma problemática. In: Barbosa, R. M. (org.) Interfaces: gênero, sexualidade e saúde reprodutiva. (pp.171-206) Campinas: Unicamp.

Britto da Motta, A. (1998). Reinventando fases: a família do idoso. Caderno CRH, 11(29), 69-87.

_____________ (2010). A Família multigeracional e seus personagens. Educação e Sociedade, 31(111), 435-458.

Debert, G.G. (1997). A invenção da terceira idade e a rearticulação de formas de consumo e demandas políticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 12(34), 39-56.

___________ (1999) A Reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Edusp.

____________ (2003). O Velho na propaganda. Cadernos Pagu, 21 (1), 133-156.

____________ & Oliveira, A. M. (2012). A Feminização da violência contra o idoso e as delegacias de polícia. Mediações, 17 (2), 196-213.

____________ (2014). Arenas de conflito em torno do cuidado. Tempo Social, 26(1), 35-45.

Eckert, C. (1998). A Vida em um outro ritmo. In: Lins de Barros, M. M. (org.) Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política. (pp.169-206) Rio de Janeiro: FGV.

________ (2002). A Cultura do medo e as tensões do viver a cidade: narrativa e trajetória de velhos moradores de Porto Alegre. In: Minayo, M.C.S. e Coimbra Jr, C. E. A. (orgs) Antropologia, saúde e envelhecimento. (pp.73-102) Rio de Janeiro: Fiocruz.

Goldenberg, M. (2008) Coroas: corpo, envelhecimento, casamento e infidelidade. Rio de Janeiro: Record.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2014). Síntese de indicadores sociais. Rio de Janeiro: IBGE.

Lins de Barros, M. M. (1987). Autoridade e afeto: avós, filhos e netos na família brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

_________________ (1998). Testemunho de vida: um estudo antropológico de mulheres na velhice. In: _________ (org). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política.(pp.113-168) Rio de Janeiro: FGV.

_________________ (2006) Trajetória dos estudos de velhice no Brasil. Sociologia: problemas e práticas, 52, 109-132.

Motta, F. M. (1998). Velha é a vovozinha: identidade feminina na velhice. Santa Cruz do Sul: Edunisc.

Peixoto, C. E. (2000). Envelhecimento e imagem: as fronteiras entre Paris e Rio de Janeiro. São Paulo: Annablume.

__________ (2004). Aposentadoria: retorno ao trabalho e solidariedade familiar. In: _____ (org.) Família e envelhecimento. (pp.57-84)Rio de Janeiro: FGV.

__________ (2011). Sobre a institucionalização da velhice e as condições de asilamento. In: Goldenberg, M. (org) Corpo, envelhecimento e felicidade. (pp.341-356) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Plummer, K. (1995). Telling sexual stories: Power, change and social worlds. New York: Routledge.

Scott, R.P. (2001). Quase adulta, quase velha: Por que antecipar as fases do ciclo vital? Interface: comunicação, saúde, educação, 5(8), 61-72.

________ (2007). Ruralidade e mulheres responsáveis por domicílios no Norte e no Nordeste. Revista Estudos Feministas. 15 (2), 425-436.

________ (2008). Trocando a casa e a rua: idosos e a inversão da construção de gênero em camadas populares urbanas. In: _____, Quadros, M.T. (orgs) A Diversidade no Ibura: gênero, geração, saúde em um bairro popular do Recife. (pp.117-132). Recife: UFPE.

Simões, J. A. (1998). A “maior categoria do país”: o aposentado como ator político. In: Lins de Barros, M. M. (org). Velhice ou terceira idade? Estudos antropológicos sobre identidade, memória e política (pp.13-34). Rio de Janeiro: FGV.

__________ (2004). Homossexualidade masculina e curso da vida: pensando idades e identidades sexuais. In: Piscitelli, A., Gregori, M. F., Carrara, S. Sexualidades e saberes: convenções e fronteiras. Rio de Janeiro: Garamond.

Siqueira, M. (2009). Arrasando horrores: uma etnografia das memórias, formas de sociabilidade e itinerários urbanos de travestis das antigas. Tese [doutorado]. Florianópolis: PPGAS/UFSC.

Published

2016-01-30

How to Cite

Moraes-Alves, A. (2016). Old Age and Gender in Brazilian Anthropology. Research on Ageing and Social Policy, 4(1), 46–68. https://doi.org/10.17583/rasp.2016.1722